A maior rebelião estudantil que você nunca ouviu




Em um dia excepcionalmente quente no final de março, mais de 250 mil estudantes universitários se reuniram nas ruas de Montreal para protestar contra o plano do governo liberal de aumentar as taxas de ensino em 75% nos próximos cinco anos. Enquanto a multidão marchou em uma aparente onda interminável de estudantes, da Place du Canada, pontilhada com os Rouges Carrés , ou quadrados vermelhos, em referência ao símbolo do movimento estudantil no Quebec, era claramente óbvio que essa manifestação foi a maior no Quebec e talvez da história do Canadá.
A manifestação do dia 22 de março não foi o ponto culminante, mas o ponto médio de um levante estudantil de 10 semanas de duração que viu, no seu auge, mais de 300.000 estudantes universitários se juntaram a uma ilimitada e soberbamente coordenada greve geral. Quase 180 mil estudantes permanecem em piquetes nos departamentos e faculdades que foram fechados desde fevereiro, não só na universidade de Montreal, mas também em pequenas comunidades em todo Quebec. 




Neste vídeo, vista aérea do grande protesto do dia 22 de março.



A greve estudantil foi apoiada por ações quase diárias de protesto, que vão desde ações voltados para as famílias dos estudantes, mini-comícios, ocupações de prédios, bloqueios de ponte, e, mais recentemente, por uma campanha de perturbação dirigida contra os ministérios do governo, empresas da coroa e empresas privadas. Embora geralmente pacífica, essas ações têm encontrado cada vez mais brutais atos de violência policial: estudantes são espancados, uso indiscriminado de spray de pimenta pela polícia de choque, e um estudante, Francis Grenier, perdeu um olho após ser atingido por uma granada de atordoamento a uma curta distância. Enquanto isso, os administradores das universidades tem implantado uma série de liminares e outras medidas legais em uma tentativa frustrada de quebrar a greve. O primeiro-ministro de Quebec, Jean Charest, continua intransigente, apesar dos apelos crescentes para o seu governo negociar com os líderes estudantis.
Então, por que você não ouviu falar nada sobre isso ainda?
Enquanto a greve estudantil de Quebec é comparável em escala a movimentos estudantis na Europa e na América Latina, ele é totalmente singular no contexto do Canadá e dos Estados Unidos, o que torna a ausência de cobertura midiática fora da província intrigante na melhor das hipóteses e perturbadora na pior. Como o veterano ativista canadense Judy Rebick observou em uma coluna recente no rabble.ca:  "é incrível que não houve quase nenhuma cobertura da revolta extraordinária de jovens em Quebec no Canadá Inglês", e, exceto por uma breve menção no Democracy Now!, o movimento tem sido ignorado até mesmo pela imprensa independente americana. Um fator-chave, certamente, é a língua: o Quebec é uma província predominantemente francófona, com uma infra-estrutura de mídia totalmente separada do resto do Canadá. Para dificultar ainda mais, os militantes que são responsáveis ​​pela organização da greve, operam em grande parte de forma independente das redes e organizações estudantis e ativista do resto do continente.
Mesmo assim, diferenças de linguagem não são desculpa para a falta de visibilidade para as importante ações do movimento estudantil. Montreal, capital cultural da província, uma cidade bilíngue, os líderes estudantis têm feito esforços para assegurar que as informações esteja disponível em sites em inglês e nas redes sociais (Facebook, Twitter, etc.), além de contar com um apoio de pequenas redes estudantis independentes fora do Canadá. A imprensa nacional canadense, tardiamente, finalmente pegou a história, embora sem abordar o contexto político da greve ou a sua conexão com as medidas de austeridade que estão sendo impostas aos estudantes e trabalhadores em todo o Canadá e ao redor do mundo. A greve estudantil deve servir como inspiração para os movimentos sociais muito além das fronteiras do Quebec, assim como uma chamada urgente de solidariedade que rompa com o silêncio midiático dominante.
.

2 comentários:

Anônimo disse...

Li o texto mas mas não entendi o mais importante, que é o motivo dos protestos.2

Erick da Silva disse...

Os protestos se deram contra medidas restritivas ao acesso e a permanência nas universidades que estavam sendo conduzidas pelo governo.