A atual caça ao PT e o pleito do ano que vem


Por Diogo Costa

Até 05 de outubro próximo, muita especulação e poucas conclusões sobre o processo eleitoral do ano que vem. No dia 05 de outubro encerra-se o prazo para a criação de novos partidos (que pretendam disputar o pleito de 2014) e para as trocas partidárias.

José Serra vai ficar no PSDB ou vai concorrer pelo PPS? Saberemos em 05 de outubro.

Joaquim Barbosa vai ficar no STF ou vai se aventurar como candidato ao governo de Minas Gerais ou presidencial? Saberemos em 05 de outubro.

O Rede (Globo) da Marina Silva vai vingar, quantos parlamentares embarcarão na nova sigla? Saberemos em 05 de outubro.

Enfim, temos algumas tendências, mas antes do fatídico quinto dia de outubro as análises ficam prejudicadas. A partir desse dia, os cenários ficarão mais nítidos.



A tendência principal (que já vinha desde antes do mês de junho), em função do número de hipotéticas candidaturas que atualmente se apresentam, é de um segundo turno entre Dilma Rousseff e mais alguém.

A outra tendência é a de ocorrer um aprofundamento na cotidiana campanha máfio-midiática contra o Partido dos Trabalhadores, tornando o ar irrespirável até a eleição do ano que vem.

Teremos um ambiente mais poluído do que em 2006 e 2010.

Imaginem se a mídia venal e a oposição fracassada, agora com a importante contribuição oposicionista do MPF, do STF e dos protestos juninos, não conseguirem, mais uma vez, derrotar o PT?

Faltarão psicólogos e psiquiatras em Pindorama! Talvez apelem aos militares como último recurso...

A vitória do PT em 2014 será a resposta mais dolorida do povo brasileiro para os urubus e corvos de plantão. Será lindo, mas teremos de trabalhar muito para transformar essa possibilidade em realidade concreta e objetiva.

Não estava no script dos eternos donos do Brasil a criação de um partido de esquerda e de massas como o PT.

Menos ainda que esse partido chegasse a presidência da república e que, pior ainda, desse certo!

A reeleição em 2006 foi um duro golpe para a direita reacionária. A eleição de Dilma em 2010 foi um trauma e um caroço até hoje não engolido. A reeleição de Dilma e um quarto período do Partido dos Trabalhadores a frente da administração do país é um espectro capaz de causar insônia no mais tranquilo oposicionista do Brasil.

O PT é apenas tolerado pelos que o atacam e até pelos que conjunturalmente o apoiam. O fato é que o PT, na visão dessa gente, já foi longe demais.

Não poderia ter dado certo e não poderia ter ido até onde foi! Justamente por isso é que a campanha de 2014 será a mais 'sangrenta' de todos os tempos.

A vitória das forças progressistas será a consagração do modelo de distribuição de renda, pleno emprego e redução das desigualdades sociais e regionais. A derrota, porém, marcará uma regressão brutal em todos os aspectos.

Quem pensa que o mês de junho de 2013 teve grandes protestos espere para ver, por exemplo, o que acontecerá neste país se o PSDB vencer no ano que vem e resolver implementar o tal de "xoki di jestaum"!

A população brasileira sentiu o gosto das melhorias sociais, quem pretender sonegar ou interromper essas melhorias com as quais o povo brasileiro se acostumou nos últimos dez anos sofrerá consequências não muito agradáveis...

A culpa de tudo isso? A culpa, ainda bem, é do PT!
.

3 comentários:

Carlos Eduardo da Maia disse...

Vai dar Dilma four more years. Jogo um malbec de primeira linha.

Erick da Silva disse...

Concordo. Dilma vai ganhar!

Carlos Eduardo da Maia disse...

Vai ganhar sim.