Partido da Marina: o "novo" que já nasce "velho"


A Rede Sustentabilidade, o partido que Marina Silva está buscando criar, antes mesmo de obter seu registro formal já vê sua imagem vinculadas a práticas irregulares. A Rede enfrenta suspeitas de fraudes na coleta de assinaturas para formar o novo partido.

Para a criação de um partido no Brasil, é necessária o recolhimento de 500 mil assinaturas certificadas pela Justiça Eleitoral. Recentemente, Marina anunciou que teria obtido o número necessário de assinaturas. Agora, iniciou-se o processo de certificação da veracidade das assinaturas.

Nesta primeira fase a Justiça em São Paulo já detectou irregularidades em assinaturas recolhidas nas cidades de Ourinhos, Mogi das Cruzes, São Bernardo do Campo e São José do Rio Preto, no estado de São Paulo. A fraude seria falsificação do  recolhimento de assinaturas de eleitores.  O Ministério Público Eleitoral e a polícia foram acionados para apurar as possíveis irregularidades nestes municípios.

Em Ourinhos, no oeste paulista, por exemplo, ao menos dois eleitores que aparecem na lista de apoiadores da legenda foram procurados pelos cartórios eleitorais da cidade e declararam não ter assinado nenhuma ficha do partido.

Em nota, o partido afirmou que tomou "todo o cuidado" no processo de coleta e que os problemas podem ter sido provocados pela falta de parâmetros dos cartórios na certificação dos apoios.

Este caso não deixa de ser sintomático do problema maior que cerca o novo partido da Marina. Não basta apenas se propor a ser o "novo" no discurso, é necessária uma prática que de fato simbolize este novo. Um partido que em seu nascimento já comete este tipo de prática já nasce velho e corrompido.

Com informações Folha de SP e TRE/SP
.

2 comentários:

Daniel Barbosa disse...

Síndrome do medo da própria sombra. O que tem de gente kagando de medo do novo partido...

Anônimo disse...

Esta Marina nunca me enganou.
Se bobear vai sair aliada com o PSDB!