Carta aberta condena acordo nuclear Brasil e Japão



Hoje, 13 de setembro de 2013, completam-se 26 anos que aconteceu em Goiânia, capital do estado de Goiás, no Brasil, o maior acidente radioativo em área urbana; só perdendo da usina nuclear de Chernobyl, em razão da explosão de um dos reatores, no ano anterior, em 1986. Para marcar a data, 200 organizações sociais assinaram e divulgaram carta aberta contra o eventual acordo nuclear entre Brasil e Japão, uma vez que o reator Fukushima Daiichi (Japão) é uma ameaça ainda presente naquele país oriental.

O documento, intitulado "Somos contrários ao acordo de tecnologia nuclear entre o Japão e o Brasil", assinado por 114 organizações sociais japonesas e 107 brasileiras, será entregue hoje nas embaixadas e consulados brasileiros e japoneses, em diferentes países. Organizações civis brasileiras e japonesas e líderes sociais de todo o mundo, expressam na declaração sua rejeição a um acordo nuclear que estaria sendo preparado por ambos os governos. Haverá também manifestações de rua no Brasil e no Japão.

O promotor da iniciativa é Chico Whitaker Ferreira, figura chave do Fórum Social Mundial. Após informações nos meios de comunicação sobre um acordo entre governos que estaria sendo preparado para exportar tecnologia nuclear do Japão para o Brasil, Chico Whitaker, membro daCoalizão por um Brasil Livre de Usinas Nucleares, recolheu assinaturas das organizações de ambos os países que se opõem a este acordo.

"O reator de Fukushima Daiichi está liberando radioatividade no meio ambiente e o governo japonês não consegue controlar essa contaminação. O Japão está causando sérios danos para o mundo. Em tal situação, como pode o governo brasileiro apoiar a construção de usinas nucleares japonesas?, questiona Whitaker.
"No Brasil cresce o temor de acidentes nas usinas nucleares de Angra dos Reis, localizadas entre as duas maiores cidades do país, Rio de Janeiro e São Paulo. Ao mesmo tempo, cresce a pressão para que se passe a usar fontes de energia menos perigosas para atender às necessidades do país em eletricidade", diz o texto da declaração.

Nas cidades de Brasília, São Paulo, Porto Alegre, Recife, Curitiba e Salvador estão sendo organizados atos de entrega da declaração. Cidadãos de todos os países são convidados a participar desse ato de entrega. O texto da declaração e a lista dos seus signatários podem ser obtidos no site:www.brasilcontrausinanuclear.com.br

com informações Adital

Um comentário:

Janice Adja disse...

Ainda encontra-se presente nas vidas das pessoas.
Beijos!!!!