Capital Inicial no Rock in Rio: a glória da rebeldia desinformada


Por Kiko Nogueira


Aos 49 anos, cabeleira negra como a asa da graúna, tatuagens, sarado, Dinho Ouro Preto, vocalista do Capital Inicial, vive um bom momento em sua carreira. Sua banda esteve no Rock In Rio e tocou para uma plateia entusiasmada no palco principal.
Dinho fez um discurso em que atacou os políticos. “Esse Natan Donadon, cara, esse primeiro presidiário congressista, cara, o próprio congresso, cara, por ter mantido o cargo desse sujeito, falou, cara…”. Emendou com uma “canção de protesto” chamada “Saquear Brasília”, que rima “hipocrisia” com “todo dia”.


O Capital é um caso curioso. Surgiu em Brasília nos anos 80, dos escombros do Aborto Elétrico, que tinha Renato Russo e os irmãos Flávio e Fê Lemos. Terminado o Aborto, Flávio e Fê montaram o Capital com Dinho. Há 30 anos, era um grupo de segunda linha. Nunca teve a mesma importância de Paralamas do Sucesso, Ultraje a Rigor, Lobão, Titãs ou mesmo o Ira. Dinho era famoso por um tique: entoava “ououou” em todo mísero refrão, coisa que abandonou com o tempo.
Nos anos 2000, depois de se separar e voltar, o Capital gravou um CD acústico. “Meus Primeiros Erros”, de Kiko Zambianchi, estourou. Vieram outros hits e aconteceu o improvável: o Capital se consolidou como uma banda de rock bem sucedida — bem mais do que as outras de sua geração.
Dinho e seus amigos tiveram um certo talento em se manter atuais. Parte disso se deve a seu esforço enorme não apenas a ter um jeito de, vamos lá, “jovem”, mas em fazer questão de falar como “jovem”. Um jovem semiletrado, ok — mas, ei, isso é rock’n’roll e não engenharia. Desde as manifestações de junho, Dinho também vem dando vazão ao que imagina ser sua verve política.
Como era inevitável, compôs uma música em homenagem aos protestos. “Viva Revolução” garante que “tudo vai ser diferente, o estranho vai ser normal/Vai ser uma comoção internacional”. Escreveu uma espécie de manifesto, republicado, obviamente, na página dos Anonymous. Num show em Porto Alegre, declarou que o estádio Beira Rio estava sendo reformado com dinheiro público.
Não estava. Foi desmentido. Na verdade, as obras são tocadas em parceria entre o Inter e a Andrade Gutierrez. Pediu perdão. “É motivo de vergonha para mim por ter falado de um assunto sem estar totalmente informado. Peço desculpas”, escreveu na conta do Capital no Facebook. “Minha intenção, aliás, nunca foi macular o nome, ou a imagem do time. E sim o modo como a FIFA nos impõe gastos, com os quais não podemos arcar”. (Eu mantive as vírgulas do original).
Sim, ele fala de assuntos sem estar totalmente informado. Não lhe passa pela cabeça que isso talvez fosse um sinal para se educar minimamente antes de se manifestar. Se Lobão e Roger são assumidamente de direita, Dinho faz o despolitizado orgulhoso. “Todo governo é ruim. A gente descobriu que gostava de falar mal de qualquer governo. Fosse ele de direita ou de esquerda, todos são iguais. A regra básica é: nunca confie em político”, disse.
As besteiras, a discussão rasteira, a manipulação, a falsa rebeldia, a burrice… Ele não precisa crescer, não precisa ler nada, não precisa aprender a colocar as vírgulas no lugar, não precisa oferecer a seu público uma reflexão melhorzinha. Sobe ao palco de um festival que tem licenciamento de mais de 600 marcas, posa de punk, bate no Sarney ou em algum genérico e bola pra frente. Aos 17 anos, Dinho tem tudo para fazer sucesso por mais 50.

.

6 comentários:

Anônimo disse...

Recado a esse Dinho 'coxinha':
TIRA O NARIZ VERMELHO DA TUA CARA!

Absurdo! É preciso um basta nisso. Chega de ofensas à classe!
Não há graça nenhuma em colocar nariz de palhaço para protestar.
Palhaço NÃO É chingamento! O palhaço não é otário!(só quando ele quer.)

Não adianta usar um nariz vermelho p/fazer protesto de raiva ativa.
Um nariz de palhaço em protesto recebe um aspecto pejorativo.
E NÃO como símbolo de algo que representa o enganado/explorado!
A mensagem que se quer passar, de nariz de palhaço, NÃO aparece!

Ninguém embute o conteúdo do protesto num nariz de palhaço.
Não se consegue enxergar o que se está criticando.
Pra mim, perde a credibilidade, seja quem for, quando usa um nariz...
Na real, quem protesta assim, está mostrando sua ignorância.

Não vou e não quero entrar no mérito do que significa “palhaço”.
Não tenho essa pretensão (e nem capacidade pra tanto).
A amplitude e a magnitude deste “código” extrapolam-me.
Mas creio que ele está no imaginário das pessoas. E de outra forma!
Pois ele certamente está presente em todas as culturas do mundo.

Pode ser complicado entender o processo. Esta inversão de valores...
Mas só sei que quem faz isso, dá ao palhaço um sentido negativo.
E estes profissionais estão nas ruas, teatros, hospitais, escolas, etc.
Eles merecem respeito! Isso tem que acabar.
Palhaçada é uma coisa boa!

#TireONarizVermelhoDosProtestos

Anônimo disse...

Ok, e daí?

Daniel disse...

HAHAHAHA... Roger e Lobão de direita... HAHAHAHA...
Enquanto houver este discurso de polarização que não contribui para nada, o nosso país continuará a ser o que é: um país que não educa e trata seu povo mediocramente.
Ampliem suas mentes e vejam que quem critica o governo, nem sempre, está situado de um lado ou de outro. Pensar diferente não é sinônimo de aversão a algum lado (se é que algum lado existe). Pensar diferente, aliás, é o que todo mundo pretende, mas que ninguém faz, nem este que vos escreve.
Quanto ao cantor citado é fácil e rasteiro fazer uma análise dessas.

Janice Adja disse...

O Sr. Anônimo tem razão nas suas palavras. Seria melhor ainda que ele escrevesse o nome.
Beijos para todos!!!

Marcio disse...

Besteira por besteira senhor Kiko... Como já disseram por aqui, ok, e daí?

Luiz disse...

Falou e disse: tem que se "educar minimamente antes de se manifestar." E o pessoal que foi pra rua em Junho tinha que se educar primeiro pra depois ir pra rua. Podem começar lendo o último livro de Olavo de Carvalho, que em 1996 disse numa entrevista pro Pedro Bial: a esquerda hoje (em 1996) está mais forte do que nunca. O livro do Olavo é: O Mínimo Que Você Precisa Saber Para Não Ser Um Idiota. Lá ele explica porque o desarmamento é coisa de esquerdista, explica o movimento gayzista, explica porque a Universidade brasileira é toda da esquerda e por isso, é burra.